21 de dezembro de 2013

Trechos de Livros: A Mãe - Máximo Gorki

Em 1907 Máximo Gorki publica o romance "A Mãe", que é um retrato dramático e fascinante da luta revolucionária vista a partir da ótica familiar e do mundo dos trabalhadores. O trecho abaixo, retirado da primeira parte do livro, capítulo XXI, continua mais atual do que nunca! Confira:


"Os corações estão todos despedaçados pela diversidade dos interesses, roídos pela cega avareza, mordidos pela inveja, cobertos de chagas e feridas purulentas... de mentira, de covardia. Os homens são uns doentes, que têm medo de viver... perdidos como num nevoeiro... conhecendo apenas a sua própria dor. Mas eis que aparece um homem que ilumina a vida com o fogo da razão e grita.'Eh! pobres insetos perdidos! Chegou o tempo de compreenderem que têm todos os homens interesses e o mesmo direito à vida e ao desenvolvimento!' O homem que clama está isolado, sente-se triste e tem frio sozinho. E ao seu chamado, todos os corações se reúnem, formando um coração imenso, forte, sensível como um sino de prata. E este sino canta assim: 'Uni-vos, homens de todos os países, formai uma única família! A mãe da vida é a afeição e não o ódio!'
(...)
A terra está farta de suportar a injustiça e a dor; ecoa como se quisesse responder, saudando o novo sol que desponta no peito do homem!
(...)
Sabem? há ainda muitas dores reservadas aos homens; ainda muito sangue será derramado por mãos cruéis. Mas tudo isto, toda a minha dor e todo o meu sangue, nada são perante o que já possuo no meu cérebro, na minha medula, nos meus ossos! Já sou rico, como uma estrela é rica em cintilações. Suportarei tudo porque tenho em mim uma alegria que ninguém nem coisa alguma matará e que é a minha força!"

Máximo Gorki, trecho do livro "A Mãe", primeira parte, cap. XXII.


Máximo Gorki, pseudônimo de Aleksei Maksimovich Peshkov (1868 –1936), foi um escritor, romancista, dramaturgo, contista e ativista político russo. Gorki foi escritor de escola naturalista que formou uma espécie de ponte entre as gerações de Tchekhov e Tolstoi, e a nova geração de escritores soviéticos.


20 de dezembro de 2013

Ainda dá tempo


"Para começar uma mudança, é preciso primeiro acreditar que ela é possível. O mundo é de todos nós e precisa do nosso otimismo para que o ímpeto de mudar se transforme em uma mudança real, e acreditamos que isso só é possível começando por uma transformação interna. Mudando nosso jeito de pensar, mudamos nosso jeito de agir e agindo mudamos o mundo. Ainda dá tempo."

Clique aqui para acessar o vídeo do projeto independente cujo objetivo é nos fazer refletir sobre o parágrafo acima.

 

16 de dezembro de 2013

Poema de Natal (Vinícius de Moraes)
















Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos -
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.


Assim será a nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos -
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

 
Não há muito que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez, de amor
Uma prece por quem se vai -
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

 
 Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte -
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.


Vinícius de Moraes
Rio de Janeiro, 1946
 


Vinícius de Moraes (Rio de Janeiro, 1913 – 1980) foi um diplomata, dramaturgo, jornalista, poeta e compositor brasileiro. Poeta essencialmente lírico, notabilizou-se pelos seus sonetos. Conhecido como um boêmio inveterado, fumante e apreciador do uísque, era também conhecido por ser um grande conquistador. Sua obra é vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Vinicius_de_Moraes


9 de dezembro de 2013

15 coisas que ninguém te diz (Parte 2)

Segue a parte 2 da série "15 coisas que ninguém te diz".
Clique aqui para acessar a parte 1.
Os cartoons aqui compartilhados foram copiados do blog Stuff No One Told Me, do cartunista Alex Noriega.
Obs.: A tradução é minha. 

 "Algumas pessoas pensarão que é normal te julgar... 
Tente não ser como elas. E ignore-as."

 "É normal mudar de opinião sobre as pessoas e as coisas na sua vida... Apenas tente fazer sentido.

"Não reclame sobre sua vida porque você não tem o carro ou a casa que queria... Ser azarado tem outro siginificado" 

 "Culpa é uma emoção inútil"

 "Analisar demais levará você às conclusões erradas.
- Eu te amo.
- O que você fez de errado dessa vez?"

 "Ninguém está realmente controlando quantas vezes você estragou tudo...
... Então relaxe."

"Sempre haverá pessoas mais bonitas e mais feias que você. Aceite isso e siga em frente..."
 
"As pessoas que mais se esforçam para parecerem fortes geralmente são as que mais precisam de afeto."
 
"Se você sempre tenta parecer esperto acabará sendo um idiota"
 
 "Separe um tempo para ficar ocioso. É bom para você."

 "Desafie-se um pouco a cada dia"

"Modas e tendências são besteiras. Não deixe que elas te enganem"
 
 "Dormir é a coisa mais saudável que você pode fazer sem fazer nada"

"A cerveja é mais saborosa com um amigo."
 
 "Filmes pornô e a Disney são responsáveis pelos seres humanos mais frustrados que eu conheço
- Onde diabos está o meu príncipe encantado?
- Onde diabos está a minha prostituta insaciável?"

25 de novembro de 2013

Um problema sem solução de um planetinha verde-azulado

"Muito além, nos confins inexplorados da região mais brega da Borda Ocidental desta Galáxia, há um pequeno sol amarelo e esquecido. 
Girando em torno deste sol, a uma distância de cerca de 148 milhões de quilômetros, há um planetinha verde-azulado absolutamente insignificante, cujas formas de vida, descendentes de primatas, são tão extraordinariamente primitivas que ainda acham que relógios digitais são uma grande idéia.
Este planeta tem ― ou melhor, tinha ― o seguinte problema: a maioria de seus habitantes estava quase sempre infeliz. Foram sugeridas muitas soluções para esse problema, mas a maior parte delas dizia respeito basicamente à movimentação de pequenos pedaços de papel colorido com números impressos, o que é curioso, já que no geral não eram os tais pedaços de papel colorido que se sentiam infelizes.
E assim o problema continuava sem solução. Muitas pessoas eram más, e a maioria delas era muito infeliz, mesmo as que tinham relógios digitais.
Um número cada vez maior de pessoas acreditava que havia sido um erro terrível da espécie descer das árvores. Algumas diziam que até mesmo subir nas árvores tinha sido uma péssima idéia, e que ninguém jamais deveria ter saído do mar."

Trecho do volume 1 (Não Entre em Pânico) do livro O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams.

22 de novembro de 2013

A grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma

"Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma.
(...)
As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias. Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas, então fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando na verdade a festa lá fora não está tão animada assim. Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma. Estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente.
(...)
Nesta era de exaltação de celebridades – reais e inventadas – fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça. Mas, tem. Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia. Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores? Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige? Será tão gratificante ter um paparazzo na sua cola cada vez que você sai de casa? Estarão mesmo todos realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está sentada no sofá pintando as unhas do pé? Favor não confundir uma vida sensacional com uma vida sensacionalista.
As melhores festas acontecem dentro do nosso próprio apartamento."

Martha Medeiros

15 coisas que ninguém te diz (Parte 1)

Navegando pelo Facebook encontrei um link para um blog muito interessante, chamado Stuff No One Told Me, do cartunista Alex Noriega
O autor comenta que começou a desenhar porque queria colocar no papel tudo aquilo que aprendeu na vida da forma mais simples possível e tentar descobrir se o que acontecia ao seu redor fazia algum sentido. Ele descobriu que não.
Compartilho aqui 15 cartoons muito interessantes publicados no blog do Noriega, nem todos são de sua autoria. Em breve compartilharei mais.

Obs.: A tradução é minha.
 "Agora é o melhor momento para ser feliz"

 "Não empurre os seus amigos para as suas coisas... Deixe-os descobrirem-nas sozinhos e gostarem se assim quiserem."

 "Seja sempre você mesmo, a menos que você seja um bastardo arrogante"

"Você não pode se livrar dos seus medos... Mas pode aprender a conviver com eles"
"Mais chá?"
 
"Você não precisa da permissão de ninguém para fazer o que acha que é certo. Para você..."
 
"Ninguém vai realizar os seus desejos, é melhor você fazê-los acontecer"
 
"Quando a maioria dos bares da sua cidade estiver mais limpa do que a sua casa, está na hora de limpar... Ou de ir aos bares..."
 
 "Pressa nunca é uma boa ideia"

"As coisas que são difícieis de dizer geralmente são as mais importantes"
 
"Ser normal provavelmente é a pior coisa que você pode tentar ser"
"E agora que você me diz?"
 
 "Qualidade é melhor do que quantidade"

"Se você pensa que vive em um mundo/país perfeito... Você realmente não tem imaginação."
 
"Em algum lugar, alguém às vezes se masturba pensando em você"
 
"Aprenda a amar o que você vê no espelho... Ninguém fará isso por você."
 
"A vida não é um filme. Às vezes é melhor ser realista e seguir em frente."
"Terminar? Mas isso não está no roteiro!"

14 de novembro de 2013

Trechos de Livros: O Mágico de Oz




"Você quer um coração? Você não sabe o quão sortudo és por não ter um. Corações nunca serão práticos enquanto não forem feitos para não se partirem […]"



"Agora eu sei que tenho um coração, porque ele está doendo."



"Ela parou de se preocupar e resolveu esperar calmamente para ver o que o futuro lhe reservava."



"Se eu não tivesse coração, não seria um covarde." – disse o Leão pensativo.



"Mas já tive cérebro e um coração também. E tendo experimentado os dois, prefiro o coração." – disse o Homem de Lata.



"A maior perda que tive, foi a perda do meu coração. Enquanto eu amava, era o homem mais feliz da terra; mas ninguém pode amar sem coração."



"Não há ser vivo que não tenha medo quando enfrenta o perigo. A verdadeira coragem é enfrentar o perigo quando se tem medo."



"Há coisas piores na vida do que ser um espantalho."



“− Não entendo como você pode querer ir embora deste lindo lugar e voltar para a terra seca e cinzenta que você chama de Kansas.

− Isso porque você não tem cérebro − respondeu a garota. − Por mais que as nossas casas sejam tristes e cinzentas, nós, as pessoas de carne e osso, preferimos viver nelas do que em qualquer outro lugar, mesmo o mais lido do mundo. Não existe lugar igual à casa da gente.”

11 de novembro de 2013

O mundo está melhor do que você imagina



Muitas pessoas não sabem o enorme progresso que a maioria dos países têm feito nas últimas décadas, principalmente porque os noticiários estão recheados com a desgraça que os seres humanos provocam diariamente. Que tal atualizar essa visão de mundo, ganhar um pouco de perspectiva e, de quebra, de esperança?

No início do mês de novembro de 2013 a BBC publicou um interessante artigo em seu site com o título “How much do you know about the world?” argumentando que o mundo está melhor do que o que a maioria das pessoas imagina, através da análise de 5 tópicos:

1. O rápido crescimento populacional está chegando ao fim;
2. Países “desenvolvidos” e “em desenvolvimento” não existem mais;
3. As pessoas estão muito mais saudáveis;
4. Mulheres estão recebendo educação melhor;
5. O fim da pobreza extrema está à vista.

O artigo é assinado por Hans Rosling, professor do Karolinska Institutet.

Clique aqui para acessar o artigo traduzido para o português pelo blog Hypescience.

Clique aqui para acessar o artigo original em inglês publicado no site da BBC.

8 de novembro de 2013

Esquerda e Capitalismo



Algumas pessoas me criticam quando falo que sou de esquerda. Eles agem como se eu fosse contra o capitalismo e a favor da implantação do socialismo ou do comunismo no Brasil. Mas isso não é verdade. Em minha opinião o capitalismo é a melhor alternativa. Até mesmo porque o mundo já teve experiências mal sucedidas com o socialismo. Cuba e União Soviética nos mostraram isso.
No meu caso, ser de esquerda não significa ser contra o capitalismo. Apesar de não ser perfeito, acredito que este é o sistema mais apropriado atualmente. Por exemplo, eu admiro os empresários bem sucedidos, que conquistam seus objetivos por mérito próprio e que geram empregos e riqueza para o País. Fico satisfeito quando consigo adquirir alguns bens materiais que só o capitalismo poderia me oferecer, como um colega me disse uma vez.
Mas por que me considero de esquerda? Porque sou a favor de algumas coisas que são naturalmente relacionadas à esquerda, mas que também podem, em alguns casos, fazer parte do pensamento de algumas pessoas da direita. São elas:
Sou a favor da descriminalização das drogas, do aborto, do reconhecimento da profissão das garotas de programa e dos direitos dos homossexuais (união civil, adoção etc.). Acredito que a interferência do estado nestas questões é um abuso contra as liberdades individuais.
Sou contra a intervenção da Igreja no Estado (sou ateu).
Sou contra a violenta repressão do estado às manifestações por melhores condições de vida.
Sou a favor da reforma agrária.
Sou a favor da meritocracia, mas por ter crescido em um ambiente de pobreza, percebi que nem todos têm as mesmas oportunidades na vida, por isso apóio políticas de fomento a questões sociais com o objetivo de melhorar a distribuição de renda e fornecer oportunidades a grupos historicamente excluídos (bolsa família, cotas etc.).
No caso do petróleo, acredito que, por ser um recurso escasso e estratégico (vide as guerras por conta desta commodity), deve ser controlado pelo estado, e não privatizado para empresas americanas e de outros países. Mas reconheço que em alguns setores a privatização foi positiva.
Enfim, nem sempre ser de esquerda significa odiar o capitalismo e amar o socialismo.

Obs.: Há um teste interessante no site da Revista Veja chamado politicômetro que situa a pessoa no campo das liberdades individuais e da relação entre o estado e a economia. Trata-se de um questionário com vinte perguntas. Eu fiz o teste e o meu resultado foi o seguinte:

“Você é um liberal de esquerda. Acredita que o estado deve intervir em alguns setores da economia, mas defende que não existam restrições às liberdades individuais.”

25 fotos incríveis tiradas no momento certo



Ser um bom fotógrafo é essencial para se conseguir boas fotos. Porém, estar no lugar certo e na hora certa também pode fazer a diferença. 

Confira 25 fotos incríveis para te inspirar ou te fazer sorrir:


























Fonte: Fotos extraídas daqui e daqui.